Direção da Folha faz autocrítica após artigo "Jair Rousseff", mas faz outra cagada - OPINATORIO

Breaking

OPINATORIO

noticias, celebridades, famosos, política

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Direção da Folha faz autocrítica após artigo "Jair Rousseff", mas faz outra cagada

Dilma Roussef/Foto Reprodução Web

A Folha não sabe se bate ou assopra, e nesse ritmo vai cometendo mais erros que acertos com medo de perder público, depois de um dos editoriais que já passou à história como um dos mais infames escritos no país, comparando Dilma Roussef, uma mulher honrada e lutadora pela democracia, com Jair Bolsonaro, defensor de torturadores e golpes de Estado, a direção da Folha de S. Paulo recuou nesta segunda-feira (31).  Sob o título “Uma escolha infeliz”, o diretor de Redação do jornal, Sérgio Dávila fez autocrítica do título “Jair Roussef” usado no editorial de 21 de agosto e que levou a uma onda de protestos de pessoas e entidades vinculadas à luta pela democracia.

No texto Dávila escreveu que que o jornal marcou seu recuo:”O texto era intitulado ‘Jair Rousseff’, uma escolha infeliz que tentava resumir a pertinente comparação econômica sem levar em conta que colocava na mesma expressão o sobrenome de uma democrata que foi torturada pela ditadura militar e o prenome de um político apologista da tortura, que defende não só aquele regime como suas práticas vis e sanguinolentas”.

Mas como já era de se esperar, sob o pretexto do recuo de seu editorial, o diretor de Redação do jornal usou a maior parte de seu artigo, entretanto, para atacar o jornalista Janio de Freitas, funcionário da Folha, que havia criticado o “Jair Roussef”.

Dávila ainda tentou defender o jornal da acusação do uso de veículos de distribuição do jornal que foram colocados a serviço do DOI-Codi e Operação Bandeirantes na ditadura militar, para prender e levar opositores do regime para o cárcere e sessões de tortura. O diretor do jornal tentou esquivar a empresa do fato, mas no próprio texto indica que Otavio Frias Filho, em 2011, reconheceu que “se a cessão de veículos ocorreu, foi de forma episódica e sem conhecimento nem autorização de sua direção”.


Att: Antônio S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here