Fux estabelece que Forças Armadas não podem dar GOLPE MILITAR - OPINATORIO

Breaking

OPINATORIO

notícias, celebridades, famosos, política


https://www.opinatorio.net/p/publicidade-barata-para-negocios.html

Post Top Ad


https://www.opinatorio.net/p/publicidade-barata-para-negocios.html

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Fux estabelece que Forças Armadas não podem dar GOLPE MILITAR

Fux estabelece que Forças Armadas não são ‘poder moderador’ de conflito entre poderes


Foto: Reprodução web

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux,  tomou uma decisão importante para esclarecer que a interpretação correta da Constituição e da lei que disciplina as Forças Armadas não permite intervenção do Exército sobre o Legislativo, o Judiciário ou o Executivo nem dá aos militares a atribuição de poder moderador.
A decisão de Luiz Fux foi em resposta a uma ação apresentada pelo PDT contra “eventual intervenção militar”, o ministro deu uma decisão liminar (provisória) para estabelecer que a prerrogativa do presidente da República de autorizar emprego das Forças Armadas não pode ser exercida contra os outros dois Poderes.

“A chefia das Forças Armadas é poder limitado, excluindo-se qualquer interpretação que permita sua utilização para indevidas intromissões no independente funcionamento dos outros Poderes, relacionando-se a autoridade sobre as Forças Armadas às competências materiais atribuídas pela Constituição ao Presidente da República”, ressaltou Fux.
A decisão é mais uma resposta do Superior Tribunal Federal, a movimentos ligados ao presidente Jair Bolsonaro que pedem o fechamento da corte e do Congresso. Bolsonaristas que alegam de forma bastante equivocada, desonesta ou mesmo descarada, que o artigo 142 da Constituição prevê a intervenção militar.
O devaneio é tanto que recentemente o procurador-geral da República, Augusto Aras, chegou a afirmar em uma entrevista que as Forças Armadas podem agir se “um poder invade a competência de outro”. 
Depois de repercussão negativa, Aras voltou atrás.
Após o episódio que poderia indicar um movimento desastroso que poderia estar por vir, o PDT acionou o STF contra o artigo 142. Na ação, também contesta trecho da Lei 97/1997, que disciplina as Forças Armadas e repete o dispositivo constitucional.

Att: Antônio Sall

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here