Cloroquina - Superfaturamento - Laboratório do Exército superfaturou produção de cloroquina - OPINATORIO

Breaking

OPINATORIO

noticias, celebridades, famosos, política

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

domingo, 21 de junho de 2020

Cloroquina - Superfaturamento - Laboratório do Exército superfaturou produção de cloroquina

(Foto: Reuters | Reprodução)

TCU investiga superfaturamento e responsabilidade de Bolsonaro em autorizar produção do medicamento conhecido como Cloroquina, vale lembrar que testes sobre o uso da cloroquina para Covid-19 foram suspensos pela OMS e outros laboratórios renomados já consideram inútil o uso do medicamento para o enfrentamento do Covid-19 comparado a uma pesquisa paralela onde se comparou um grupo que fez uso de Cloroquina e outro que usou placebo(comprimido de farinha).

A notícia agora é de que o Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército já gastou mais de R$ 1,5 milhão para produzir cloroquina em meio à pandemia do coronavírus, medicamento que não possui comprovação de sua eficacia,  segundo cálculos a produção já foi ampliada em mais de 100 vezes desde a produção inicial, o Tribunal de Contas da União (TCU) investiga mau uso de recurso público e como autorização presidencial.
O Exército teria firmado ao menos 18 acordos para aquisição de cloroquina em pó e outros insumos de produção, gastando um valor total de R$ 1.587.549,81. Na quarta-feira (17), foi divulgado que o Ministério da Defesa já teria investido ao menos R$ 472,5 mil para produzir 2,25 milhões de comprimidos de cloroquina 150mg desde março, quando Jair Bolsonaro ordenou a produção, e além de não existir comprovação do medicamento agora existe dúvidas até mesmo dos valores usados na produção dentre várias outras dúvidas que vão ser divulgadas em breve.
Segundo o subprocurador-geral do Ministério Público Lucas Rocha Furtado, que encaminhou pedido de investigação ao TCU, há “evidente ineficácia administrativa” e desperdício de recursos públicos. O ocorrido teria responsabilidade direta do presidente, por autorizar a produção em massa de um medicamento sem eficácia comprovada e que não terá utilidade. “Ao agir dessa forma, o presidente da República deixa de garantir de forma adequada o direito da sociedade à saúde”
Att: Antônio S.
Recado da Central Editorial - Não se esqueçaquando você receber uma 
notíciaseja no zap, seja em qualquer outra rede e, você ficar na dúvida
 está sendo falado...se mesmo após a pesquisa não achar sobre aquele 
assuntoentão, já sabe né? Estamos vivendo tempos difíceis, então se
 certifique da notícia antes de compartilhar ou se posicionarlembre-se,
 é melhor perder 10 minutinhos pesquisando do que horasdiasmeses
 e até anos com as consequênciasAbraços Att: Equipe Opinatório

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here